saopaulo.sp.gov.br
|
Cidadão SP
       
/goversp
Cultura e
Economia Criativa
Compartilhe este evento
Notícia
Temporada de concertos começa com Ligia Amadio e Sonia Rubinsky

O primeiro concerto da Temporada 2013 do Theatro São Pedro reúne a maestrina Ligia Amadio e a pianista Sonia Rubinsky. O programa inclui peças de Mozart, Schumann e Beethoven. Dias 16 e 17 de fevereiro, no Theatro São Pedro.

Ligia Amadio (regente)

Ligia Amadio é uma das mais destacadas regentes brasileiras da atualidade. Notabilizou-se internacionalmente por sua reconhecida exigência artística, seu carisma e suas vibrantes performances. Sua atuação estende-se por: Alemanha, Argentina, Áustria, Bolívia, Chile, Colômbia, Croácia, Cuba, Eslovênia, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Holanda, Hungria, Peru, Portugal, República Tcheca, Rússia, Sérvia e Venezuela.

Ligia Amadio iniciou os estudos musicais com a Profa. Maria Cristina da Ponta Fiore, aos cinco anos de idade. Cursou o Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, na classe da pianista Sandra Abrão, e realizou o Bacharelado em Música – com habilitação em regência – e o Mestrado em Artes na UNICAMP, após haver concluído o curso de Engenharia de Produção na Escola Politécnica da USP.

Nos mais importantes cursos internacionais de especialização em regência orquestral que frequentou, teve como professores: Ferdinand Leitner, Julius Kalmar, Georg Tintner, Alexander Polishchuk, Kurt Masur e Sir Edward Downes. No Brasil, seus principais mentores foram os maestros Henrique Gregori, Eleazar de Carvalho, H.J. Koellreutter, Almeida Prado e Lutero Rodrigues.

Premiada no célebre Concurso Internacional de Tóquio (1997) e no II Concurso Latino-Americano para Regentes de Orquestra em Santiago do Chile (1998), em 2001 recebeu o prêmio Melhor Regente do Ano no Brasil, outorgado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Ligia Amadio ocupou o cargo de regente titular e diretora artística na Orquestra Sinfônica Nacional (entre 1996 e 2008), na Orquestra Sinfônica da Universidade Nacional de Cuyo, em Mendoza, Argentina (entre 2000 e 2003), e na Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (em 2009). Em agosto de 2009, assume a regência da Orquestra Sinfônica da USP, a pedido de seus músicos e a convite do pró-reitor de Cultura e Extensão, Prof. Dr. Ruy Altafim. Em 2010, também a pedido de seus integrantes, é convidada a assumir a direção artística da Orquestra Filarmônica de Mendoza.

Sua discografia reúne onze CDs e cinco DVDs. Entre eles, destaca-se a realização da coleção Música Brasileira no Tempo, realizada sob os auspícios do Ministério da Educação.

Sonia Rubinsk (piano)

Vencedora do GRAMMY Latino® de 2009, premiada pela Associação Paulista de Críticos de Arte como “Melhor Recital do Ano”, ganhadora do prêmio William Petschek da Juilliard School e do Primeiro Prêmio da International Artists em Nova York, a pianista Sonia Rubinsky se destaca por um estilo ao mesmo tempo poético e percussivo que representa os ritmos e melodias populares do Brasil embora intimamente ligada ao repertório clássico e romântico europeu.
Nascida no Brasil, filha de uma mãe polonesa e de um pai lituano, Sonia Rubinsky iniciou seus estudos de música no Conservatório Musical de Campinas, com Olga Normanha Rizzardo. Criança talentosa, ela realiza seu primeiro recital aos 5 anos e meio e, aos 12, apresenta-se como solista com orquestra. Mais tarde, decide estudar em Israel na Academia RUBIN de Jerusalém (cujo nome atual é “The Jerusalem Academy of Music and Dance”). Na idade de 16 anos, ela é convidada a participar da gravação do filme “Arthur Rubinstein in Israel”. Durante as gravações, Sonia Rubinsky toca diante de Rubinstein que, encanta-se por seu forte temperamento musical. Incentivada por este extraordinário mestre, ela conclui seu doutorado na Juilliard School em Nova York e se apresenta em renomadas salas de concerto, tais como Carnegie Hall (Stern/Perelman Stage, Weill Hall), Alice Tully Hall, Bargemusic, Merkin Concert Hall, le Miller Théâtre, Hertz Hall nos Estados Unidos, a Maison de Radio France em Paris, a Sala São Paulo e o Teatro Municipal de São Paulo no Brasil, o Recanati Hall en Israël e o AGA-Zaal na Holanda.
Ela também se apresenta como solista convidada em várias formações como as Orquestras St. Luke, New York Women’s Ensemble, Richmond, Springfield, Syracuse, Jacksonville, Cheyenne, Phoenix, Orquestra Sinfônica de Jerusalem, Orquestra Sinfônica de São Paulo (OSESP), Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (OSUSP), Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal São Paulo e a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
Sua discografia inclui gravações de obras de Bach, Debussy, Messiaen, Scarlatti, Mozart, Mendelssohn, Almeida Prado, Jorge Liderman, Gabriela Lena Frank e Villa-Lobos. Para este último, mais de 12 anos de pesquisa em estreita colaboração com o Museu Villa-Lobos no Rio de Janeiro e a consulta de manuscritos em diversos países, permitiram-na realizar a gravação da integralidade de sua obra em 8 volumes, com várias premières mundiais. O primeiro volume dessa coleção foi selecionado em 1999 pela revista especializada Gramophone para figurar dentre as “cinco melhores gravações para piano” e foi nomeado para o GRAMMY® Awards. O quinto volume foi escolhido como Editor’s Choice pela mesma revista em outubro de 2006. O oitavo e último CD, que conclui a série, garantiu a Sonia Rubinsky o prêmio de “Melhor Gravação do Ano” no Latin GRAMMY® Awards 2009. Nos últimos anos, ela recebeu duas vezes o prêmio de música clássica mais importante do Brasil: o Prêmio Carlos Gomes (“Pianista do Ano” em 2006 e “Instrumentista do Ano” em 2009).
Suas mais recentes realizações incluem um recital no Carnegie Hall com orquestra em novembro de 2011, a nomeação para o cargo de colaboradora (Artist in Residence) com o pianista e regente americano Murray Perahia no Centro Internacional de Interpretação de Piano Edward Aldwell em Jerusalem, bem como a gravação da integralidade das “Canções sem Palavras” (Lieder ohne Worte), de Felix Mendelssohn, pela Editora Algol.
Incontornável intérprete dos repertórios clássico e romântico, a artista se interessa igualmente por música contemporânea. O compositor Almeida Prado lhe dedicou a peça Cartas Celestes XII (2000) e a Sonata para violoncelo e piano (2004), a qual ela interpretou ao lado do famoso violoncelista Antônio Meneses.
Aclamada pela crítica e coroada com diversos prêmios, Sonia Rubinsky revela-se uma das melhores pianistas de sua geração.

Serviço:

Sábado (16 de fevereiro, 20h30) e domingo (17 de fevereiro, 17h)

Ligia Amadio regente

Sonia Rubinsky piano

WOLFGANG A. MOZART

Abertura da ópera Le Nozze di Figaro, KV. 492

ROBERT SCHUMANN

Concerto em Lá menor, op.54

LUDWIG VAN BEETHOVEN

Sinfonia n. 3 em Mi bemol maior, op. 55 – Eroica

Ingressos: R$ 30 (com meia entrada)

Theatro São Paulo 2021 © Todos os direitos reservados