saopaulo.sp.gov.br
|
Cidadão SP
       
/goversp
Cultura e
Economia Criativa
Compartilhe este evento
Notícia
Filmes e Referências: Os sete pecados capitais

Quer saber que filme também entrou como referência de pesquisa para a nossa próxima ópera?

Muitas referências surgem na concepção de um espetáculo e é o que acontece com A mulher de todos, um filme brasileiro de comédia, de 1969, que inspirou a criação cênica da nossa montagem de Os sete pecados Capitais.

O diretor cênico, Alexandre Dal Farra, conta que foi interessante perceber o quanto duas obras que parecem tão diferentes se encontram em tantos pontos em comum.

Vale lembrar que, em novembro de 2015, o filme entrou na lista feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.

“Trata-se de obras sobre mulheres desejantes, cujos desejos não são realizáveis, seja por serem tolhidos por um sistema de repressão disfarçada de moral (Os Sete Pecados), seja por serem desejos em si mesmos impossíveis de satisfazer (A Mulher de Todos). Nas duas obras, trata-se de uma viagem, uma impossibilidade”, destaca Alexandre.

O filme estreou no Brasil em 1969, logo depois de ter sido promulgado o ato institucional número 5, e a ópera Os sete pecados Capitais foi a primeira obra que Brecht estreou depois de ter se exilado da Alemanha, com a ascensão do nacional-socialismo. Dal Farra lembra que as duas obras surgem depois de acontecimentos históricos importantes que, no entanto, não aparecem nelas.

Para ele, é como se os artistas ainda não tivessem elaborado suficientemente o que estava se passando, logo, esse entorno permanece silencioso.

“No entanto, no caso de A Mulher de Todos, há (creio) no filme um sinal desse silêncio, desse algo que não está ali. Trata-se de uma bola de plástico preta, que foi uma obra de José Agrippino de Paula. Trazer essa bola de volta foi algo que me pareceu absolutamente inevitável. Essa foi a principal referência que perpassou a encenação, e está lá explicitada, em dois trechos do filme que utilizamos”, conta o diretor.

Quer assistir ao espetáculo de perto?

As récitas 5, 6, 7, 10, 11, 12, 13 e 14 de novembro. Quarta a sábado, às 20h, e domingo, às 17h. Ingressos disponíveis na nossa bilheteria digital (link aqui na bio).

Theatro São Paulo 2021 © Todos os direitos reservados