Kátia Kabanová | sinopse

Por Irineu Franco Perpetuo

 

Baseada na peça A Tempestade, de Ostróvski, Kátia Kabanová se passa na Rússia, e narra a trágica história do amor extraconjugal de Katěrina (Kátia), a esposa de um mercador fraco e dominado pela mãe, e Boris, jovem tiranizado pelo tio rude. Atormentada pela culpa, e sem forças para escapar do claustrofóbico e embrutecido ambiente social que lhe castra os desejos e ambições, Kátia vai ao encontro de seu destino fatal, o único que lhe parece possível, em uma noite de tempestade.

 

KÁTIA KABANOVÁ (1921)
Leoš Janáček (1854-1928)

 

Personagens
Savjol Prokofjevič Dikoj, um comerciante | baixo
Boris Grigorjevič, sobrinho de Dikoj | tenor
Marfa Ignatěvna Kabanová (Kabanicha), viúva de um rico comerciante | contralto
Tichon Ivanyč Kabanov, seu filho | tenor
Katěrina Kabanová (Kátia), sua esposa | soprano
Váňa Kudrjáš, professor | tenor
Varvara, filha adotiva dos Kabanov | mezzo-soprano
Kuligin, amigo de Kudrjas | barítono
Glaša, criada | mezzo-soprano
Fekluša, criada | mezzo-soprano

 

ATO I

 

Cena 1
Em um parque, Kudrjáš e Glaša admiram o rio Volga, quando chega Dikoj, ralhando com o sobrinho, Boris, que acusa de ser ocioso. Dikoj sai, em busca de Kabanicha, a rica viúva de um mercador, e Boris explica a Kudrjáš que só atura os maus tratos do tio por causa da herança. O rapaz confessa ainda estar apaixonado por uma mulher casada. Trata-se de Kátia Kabanová, cônjuge de Tichon, filho de Kabanicha. A mãe recrimina o filho por negligenciá-la por causa da esposa, e exige que Tichon faça uma viagem de negócios até Kazan.

 

Cena 2
Dentro de casa, Kátia manifesta a Varvara, irmã de seu marido, receio de que o demônio a esteja incitando a algum pecado. Tichon aparece, para se despedir. Kátia implora que o marido não viaje, ou a leve consigo. Tichon se recusa. Kátia jura que, durante a ausência do marido, não falará com nenhum estranho. Kabanicha faz Tichon exigir da esposa que a obedeça, e não olhe para outros homens. O casal se despede, e Tichon parte.

 

ATO II

 

Cena 1
Kabanicha, Kátia e Varvara estão em casa, bordando. A sogra culpa Kátia por não lamentar a ausência do marido, e sai. Varvara diz à cunhada que vai passear no jardim, e a convida a fazer o mesmo, deixando-lhe a cópia de uma chave que surrupiou de Kabanicha. Após uma crise de consciência, Kátia, sozinha, admite que quer ver Boris, e sai. Dikoj, bêbado, flerta com a viúva que, contudo, rejeita-o.

 

Cena 2
No jardim dos Kabanov, Kudrjáš espera por Varvara, e se depara com Boris, que veio encontrar Kátia. Varvara chega, e vai passear com Kudrjáš às margens do Volga. Logo surge Kátia, e ela e Boris declaram seu amor um pelo outro. Kudrjáš e Varvara regressam, e agora são Boris e Kátia que saem para passear. Faz-se tarde, e Kudrjáš convoca todos a retornarem para suas casas.

 

ATO III

 

Cena 1
Nas arcadas de um prédio em ruínas, Kudrjáš, seu amigo Kuligin e outras pessoas, dentre as quais Dikoj, abrigam-se da chuva, que contudo, logo cessa, e a multidão se dispersa. Varvara aparece e chama Boris, contando-lhe as novidades: Tichon voltou de viagem, e Kátia está fora de si, trêmula, febril e em prantos, ameaçando contar sua traição ao marido. Kátia chega, e seu comportamento atrai a atenção de todos: logo estão reunidos Dikoj, Tichon e Kabanicha. A chuva volta a cair, transforma-se em tempestade, e Kátia acaba confessando ao marido o que fez em sua ausência. Desmaia nos braços de Tichon, para acordar com um trovão e se precipitar na direção da tormenta.

 

Cena 2
Anoiteceu. Kudrjáš e Varvara combinam de fugir para Moscou, enquanto os demais procuram por Kátia, às margens do Volga. Ela surge, atormentada por pensamentos de morte. Boris encontra-a e abraça-a, contando que foi mandado pelo tio para tomar conta de seus negócios na Sibéria. Kátia inicialmente pede para acompanhá-lo na jornada, depois muda de ideia. Boris parte. Após se despedir do amante, Kátia atira-se na água. Kuligin vê-la saltar, e dá o alarme. Ao seu grito, todos acorrem. Tichon acusa Kabanicha de ter destruído sua esposa. Dikoj, por fim, traz o cadáver de Kátia. Kabanicha agradece a todos pela ajuda prestada.


Leia também:

♦ A vida de Leoš Janáček (1854-1928)

♦ A Vida como Ela É, por Irineu Franco Perpetuo