Fause Haten | figurinos

Fause Haten é um artista multifacetado, conhecido no mundo da moda no Brasil e internacionalmente com uma carreira de mais de 25 anos.

Desde 2006, dedicado a abertura de seus horizontes criativos, inicia sua pesquisa no mundo das artes através do estudo das artes cênicas, do canto e da composição musical. Formado em Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia Helena em 2008.

Criador e Criatura, hoje tem sua carreira como artista multidisciplinar. Estilista, Figurinista, Performer, Escritor, Diretor, Cantor e Ator. Escreveu atuou e dirigiu A Feia Lulu, em 2014 e Lili Marlene, um anti Musical em 2017. Realizou performances em galerias de arte e museus como A Fábrica do Dr. F. em 2013 no Museu MABFaap e no Sesc Ipiranga em 2016 e CEmPeitos na Galeria Mezanino em 2016.

Tem se destacado fazendo figurinos de grandes musicais como O Médico e o Monstro (2010), direção de Fred Hanson; O Mágico de Oz (2012), direção Charles Moeller; Hello Dolly (2012), direção Miguel Falabella; Romeu e Julieta no mundo da Mônica (2013); A Madrinha Embriagada (Prêmio Bibi Ferreira de melhor figurino de 2014), direção Miguel Falabella; 220 Volts (2014) e Hiperativo (2014), direção Paulo Gustavo; Burlesque (2016), direção de Maicon Clenk; Rent (2016), direção Suzana Ribeiro.

Assinou também os figurinos de A Casa de Fernanda Alba  (2013), Jocasta (2013) e Meu Deus (2014), direção Elias Andreato; Ilhada em Mim Sylvia Plath (2014) de André Guerreiro Lopes; Casa Vazia de Anderson Gouvea e Marina Caron; Cartas Libanesas (2015) direção Marcelo Lazzaratto; Um Bonde Chamado Desejo (2015) direção de Rafael Gomes (indicado a prêmio Shell de melhor figurino de 2015); A Floresta que Anda (2016) direção Christiane Jatahy;  Jaqueline (2016) direção Rafael Gomes; Num Lago Dourado (2017) direção Elias Andreato; Os Corvos (2017) direção Luis Ferron; O dragão de fogo (2017) direção Marcelo Lazaratto; Rent (2017) direção Suzana Ribeiro; La Belle Helène (2017) direção Caetano Vilela.